Conheça o perfil dos alunos do Equale

Imagem de estudantes do Instituto Equale em uma sala de aula, prestando atenção na fala de alguém.

Se você ainda não sabe, o Instituto Equale promove ações e projetos com o objetivo de garantir maior qualidade e equidade na educação brasileira. Pensando nisso, uma das ações dessa ONG é o auxílio aos cursinhos populares da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Por meio do trabalho de mais de 400 voluntários, esses cursinhos surgiram para ajudar estudantes de baixa renda, que não possuem condições de pagar por sua educação, a conquistar o sonho de entrar na universidade e cursar uma graduação. 

Mas quem são os estudantes dos cursinhos populares?

Pensando em conhecer melhor os estudantes e entender os motivos pelos quais eles consideram parar de frequentar as aulas dos cursinhos populares, o Instituto Equale promoveu uma coleta de dados durante os meses de maio e junho de 2019.

Essa pesquisa contou com a participação de 443 alunos de 19 cursinhos populares localizados na região metropolitana de Belo Horizonte para chegar ao perfil que apresentaremos abaixo. Vamos lá?

Imagem de uma sala de aula com vários estudantes do Equale realizando uma prova.

Faixa etária

Para começar, os dados apontam que mais da metade dos estudantes dos cursinhos populares possui de 17 a 19 anos, mostrando uma grande intenção dos alunos do Ensino Médio de complementarem seus estudos, buscando fazer uma boa prova do Enem e ingressar na faculdade. 

Além disso, é interessante perceber que os cursinhos populares atingem alunos de todas as faixas etárias, desde pessoas menores de 16 anos até pessoas com mais de 50 anos. Muita gente não teve a chance de ingressar na faculdade ao sair da escola, mas algumas continuam em busca de qualidade de vida através da educação. 😉 

Renda familiar

Já em relação à renda familiar dos estudantes dos cursinhos populares, os dados apontam para uma maioria significativa com a renda de até um salário mínimo ou de um a dois salários mínimos. Isso evidencia, então, a procura dos cursinhos populares por alunos de baixa renda que buscam a oportunidade de ter um aprendizado de qualidade. 

Cidade de residência

Outra informação que caracteriza os estudantes dos cursinhos populares é a cidade de residência. A grande maioria reside em Belo Horizonte, mas também há uma grande quantidade de alunos em Santa Luzia, Ibirité, Vespasiano, Ribeirão das Neves, Contagem, entre outras.   

Com esses dados, além de traçar o perfil dos estudantes, fica mais fácil entender as dificuldades de transporte até os cursinhos e a necessidade de novas unidades por região. É através de informações como essa que o Instituto Equale visualiza a importância de realizar a campanha de auxílio-transporte, por exemplo.

Imagem de um estudante com o braço estendido ao dar sinal para o ônibus.

Família e estudos

O incentivo da família é muito importante para os estudos, não é mesmo? Por isso, um dos dados é focado em analisar essa relação, inclusive pensando na possibilidade de abertura de cursos de Educação de Jovens e Adultos (EJA)

Sobre o nível de estudos dos pais dos estudantes de cursinho populares, a maioria varia entre ensino fundamental incompleto e ensino médio completo. Isso mostra que muitas dessas pessoas não tiveram oportunidade de cursar o ensino superior, mas seus filhos estão em busca disso. 

Outras características

Além dessas características, o perfil dos alunos dos cursinhos populares da região metropolitana de Belo Horizonte também mostra que mais de 70% dos estudantes se identificam com o gênero feminino e se consideram pardos ou pretos

Através dessa coleta de dados e da análise feita em cima deles, o Instituto Equale busca entender o perfil dos estudantes que procuram os cursinhos populares e os motivos pelos quais eles interrompem os seus estudos, procurando formas de contornar esse problema para que todos atinjam o seu objetivo de ingressar na graduação. 

Quer saber mais sobre isso e ter acesso aos dados completos? Clique aqui para baixar o Relatório de Intenção de Evasão 2019, além do relatório de 2018 e outras informações. 😉   

Banner direcionando para a página de doação "https://equale.com.br/como-ajudar/"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *